Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CRÓNICAS DO MEU QUINTAL

O meu quintal é a minha imaginação. Aí planto pequenos nadas.

O meu quintal é a minha imaginação. Aí planto pequenos nadas.

CRÓNICAS DO MEU QUINTAL

05
Jul19

Prólogo Para Um Livro


pequenos nadas

TESTEMUNHOS: Prólogo Para Um Livro

 

 

            Ao longo da vida, fui escrevendo sobre gentes e lugares que muito tinham a ver com as minhas raízes e memórias. Estou, agora, a redigir este último impresso, o da terra do meu pai. Existem outros personagens, mas permanecem imutáveis os meus propósitos: falar sobre as minhas gentes, os seus lugares e os seus tempos. Eu também estou presente, embora, por vezes, ausente.

            Dou sempre tempo ao tempo. Prolongo o meu tempo e o tempo deles, para além do tempo que vivo e vivem, porque só morremos quando morre a última pessoa que ouviu falar de nós

            Por esse facto, tempo ao tempo está plasmado nestas páginas que se seguem e ajudam a perceber que há um tempo que merece também ser saboreado: o tempo para além da morte. Por isso temos memória e memórias, porventura, imaginários, que dão tempo e vida aos que pereceram.

            Nenhum outro bem é tão precioso como este que escrevo. Um livro é para lembrar. Quero guardar a vida, quero guardar as pessoas, quero guardar as reminiscências. A vida tem pessoas dentro, a minha tem muitas. Quero acautelar a memória para não a perder, quero lembrar, quero poder rever. Na minha memória estou eu, estão eles e elas, está isto e aquilo. Nas minhas memórias estou eu, estão tantos, está tudo.

            A vida tem pessoas dentro. Às vezes responde com uma casa em ruínas com paredes de pedra, com objectos, um prato, uma máquinas de costura, uma panela de onde se vertia o caldo, a cestinha da fruta, o solitário das flores, os castiçais que alumiavam a imagem do santo milagreiro, panos bordados com mãos de fada, quadros, livros, cartas, fotografias, e tantas outras recordações que, em muitas ocasiões, descuidadamente, deitamos fora.

            Vou guardar para não esquecer.

            E, agora, pergunto-me quanto tempo o tempo tem? Umas vezes é lento e sofrido, outras é turbulento e rápido como um vendaval. É nos interstícios das duas velocidades que perpassam e se agitam as minhas memórias. Dos que ficam aos que voltam sempre.

            Eis um livro modesto que vos deixo, ele vai pertencer ao tempo.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D